Por onde anda…

    por -
    1

    Encontrei essa reportagem no Globo.com/ego e não me contive, tenho que postar aqui elas com seus rostinhos inocentes ou corpos perfeitos, elas já foram símbolos sexuais nos anos 80. Tiveram um grande boom em filmes clássicos exibidos nesta época, mas depois amargaram o ostracismo, total ou parcial. Confira por onde andam as musas Kelly Lebrock, Bo Derek, Jennifer Beals e Molly Ringwald.

    Kelly Lebrock

    Musa de filmes como “A dama de vermelho” e “A mulher nota 1000″, não se pode dizer que o tempo fez bem a Kelly Lebrock. Aos 48 anos, a atriz chama atenção pelo botox nos lábios (que tenta reproduzir seu ponto forte na juventude) e silicone nos seios. Casada por quase dez anos com o ator Steven Seagal, com quem atuou em “Difícil de matar” (1990), a atriz não repetiu nos anos 90 os sucessos como musa dos 80. Em 2007, participou de alguns episódios do reality show “Hell’s Kitchen”, onde se declarou fã de comida orgânica – o que não a ajudou a manter em forma, pois Kelly está bastante acima do peso.

    Bo Derek
    Se Kelly Lebrock é a mulher nota 1000, Bo Derek bombou no fim dos anos 70 como “Mulher nota 10”. Bombou como símbolo sexual, vale ressaltar, pois sua performance como atriz recebeu, ao logo da carreira, vários troféus “Framboesa de Ouro”, concedidos aos piores atores. Após atuar em “Orca, a baleia assassina” (1977), recusou o papel da personagem principal em “King Kong” (1976), que ficou com Jessica Lange. Fez filmes de apelo sexual com nomes curiosos no Brasil, como “Fantasmas não transam” e “Amantes em família”. Nos anos 2000, participou por quatro anos da série “Sétimo Céu” (“7th Heaven”). Está hoje com 52 anos.

    Jennifer Beals
    Até virar a namoradinha da América em “Flashdance” (1983), Jennifer Beals ralou muito como babysitter. Mas nem depois do filme sua carreira de atriz deslanchou. Não com o mesmo sucesso, pelo menos. Perdeu para Gillian Anderson o papel da agente Scully em “Arquivo X”, mesmo com a indicação do amigo David Duchovny. Jennifer atuou, sem destaque, em filmes como “O Diabo Veste Azul” (1995), com Denzel Washington, “O Grito 2” (2006), com Sarah Michelle Gellar e “O Júri” (2003), com John Cusack. Hoje interpreta uma lésbica na série
    “The L World”. Aos 45 anos, está mais bonita do que quando jovem.

    Molly Ringwald
    Conhecida por seu papel em “A Garota de Rosa-Schocking” (1986), Molly Ringwald é a mais nova das atrizes citadas aqui: completou 40 anos em fevereiro. Foi musa adolescente por conta de seus papéis em “Gatinhas e Gatões” (1984) e “Clube dos 5” (1985). Mas em sua lista de filmes de sucesso, podemos citar aqueles que ela se negou a fazer ou perdeu o papel para alguém: foi cotada para “Ghost”, mas o papel ficou com Demi Moore; perdeu “Uma Linda Mulher” para Julia Roberts; negou a personagem Sandy, em “Veludo Azul”, de David Lynch, porque sua mãe não teria gostado do roteiro. O papel acabou com Laura Dern e foi um grande sucesso. Molly, no entanto, recebeu uma homenagem em “Não é mais um besteirol americano” (2002). A atriz tem uma personagem no filme, que recria cenas de clássicos dos anos 80.


    Fonte: Ego

    Comentários